O protótipo de produto digital é uma simulação, um rascunho ou uma demonstração simplificada de uma ideia. Tem o objetivo de materializar, validar, experimentar ou testar um conceito de produto digital.

Você sabia que, nos últimos tempo, apenas 4% dos novos produtos lançados nos EUA obtiveram sucesso? 

A criação de produtos digitais envolve lidar com diversas incertezas. Dessa forma, diante de um cenário econômico cada vez mais instável, é essencial que os empreendedores minimizem os riscos ao se lançarem num novo negócio.

A prototipação de produtos digitais é uma maneira de experimentar e testar ideias de uma forma enxuta (ágil, rápida e de baixo custo). Dessa forma, pode-se aprender rapidamente para derrubar verdades absolutas descritas no business plan da startup ou do produto. Por outro lado, o protótipo ajuda muito na validação ou revogação das principais hipóteses antes que ocorra o lançamento no mercado. 

Nesse artigo vamos levantar os principais aspectos para você elaborar um protótipo de produto digital bem sucedido.

Qual o significado de protótipo?

Protótipo é uma palavra de origem grega (onde Protós = primeiro e Typos = tipo) que significa o primeiro tipo, o primeiro modelo, aquilo que está sendo planejado, estudado ou testado. 

O que é um protótipo de produto digital?

O protótipo de produto digital é uma simulação, um rascunho ou uma demonstração simplificada de uma ideia. Tem o objetivo de materializar, validar, experimentar e testar um conceito de produto digital. Ele é, assim, uma versão inicial de baixo custo que indica possíveis problemas de funcionalidade, usabilidade e design do projeto. 

A prototipação, uma das fases do design thinking, parte da premissa de melhorias constantes. Sendo diretamente ligado à metodologias ágeis (agile) e ao lean startup, o protótipo permite que sejam testadas diferentes versões e possibilidades para o produto.

Através de ciclos de aprendizado e feedbacks, o protótipo é incrementalmente desenvolvido para corrigir erros de funcionalidade, garantir a eficácia do uso do produto pelos usuários e validar modelos de negócios ou atratividade do negócio. Além disso, tem a função de facilitar a comunicação e o entendimento para a equipe de desenvolvimento, potenciais clientes ou investidores.

Assim, pode ser utilizado em qualquer etapa da execução do projeto, desde o planejamento até o lançamento definitivo do produto digital.

Existem diversos formatos possíveis para a construção do protótipo. Eles variam de acordo com o estágio de desenvolvimento do projeto e sua complexidade. Para tanto, é importante saber com clareza os diferentes tipos de protótipos e suas funções. 

Tipos de protótipo 

O protótipo pode ser utilizado em qualquer fase do desenvolvimento do produto. Dessa maneira, existem diferentes formatos para diferentes finalidades – ou seja, de níveis de semelhança com o produto final:

  • Baixa fidelidade: baixa correspondência com a expectativa do produto. Por isso costuma ser um rascunho ou esquematização, tendo como objetivo tangibilizar a ideia. Um bom exemplo é a planta de um apartamento.
  • Média fidelidade: é uma representação parcial do produto, sendo uma sintetização da ideia. Reúne os principais conceitos estratégicos envolvidos no projeto. Uma maquete é um ótimo exemplo de média fidelidade.
  • Alta fidelidade: é o protótipo com alto grau de semelhança com o produto. Dessa maneira, por ser uma representação fiel da realidade, tem maior custo de desenvolvimento. Ex.: apartamento decorado

Vale destacar que o custo de produção aumenta conforme seu grau de fidelidade e refinamento. Além disso, quanto mais simples for o protótipo, mais fácil de desapegar de ideias que não funcionam.

Outro ponto importante é compreender o nível de fidelidade adequado em cada etapa de desenvolvimento do produto. Assim, para as fases iniciais, protótipos de baixa fidelidade são mais indicados para dar forma às ideias. Formatos como wireframes (que podem ser rascunhados à mão), além de terem baixo custo, são facilmente modificáveis. 

Se você estiver na fase de apresentação para potenciais investidores ou clientes, protótipos de alta fidelidade são ideais. Com eles, você pode expor detalhes do design do produto digital, além de testar os fluxos de informações e a navegabilidade do sistema, bem como começar a experimentar as hipóteses com usuários reais.

Quais as vantagens de criar um protótipo de produto digital?

Clareza de Ideias

Uma imagem vale mais do que mil palavras! O protótipo permite a visualização clara e organizada da ideia do produto. Assim, facilita o entendimento da proposta, dos processos e objetivos almejados. 

Alinhamento e comunicação do time

Por facilitar a compreensão das ideias, o protótipo evita falhas na comunicação. Com isso, melhora o alinhamento entre todos os envolvidos no projeto de desenvolvimento do produto.

Correção de erros

Através dos protótipos é possível identificar e corrigir erros no projeto. Realizar essas modificações em um produto já lançado no mercado seria muito mais custoso e demorado.

Teste com o usuário

Antes do desenvolvimento efetivo do produto, o protótipo permite a realização de experimentos diretamente com o usuário. Dessa forma, é possível coletar dados e feedbacks para fazer alterações no produto final de acordo com as informações coletadas.

Desenho de UX

Através dos feedbacks do usuário sobre o protótipo, é possível testar diferentes interfaces antes do desenvolvimento efetivo do produto. Isso facilita a adequação de funcionalidades e da usabilidade, garantindo uma boa experiência do usuário.

Validação de proposta de valor

Com a realização de testes, é possível comprovar, refutar ou modificar a proposta de valor do projeto. Portanto, através dos protótipos, pode-se avaliar a efetividade da solução junto às necessidades e dores do potencial cliente.

Como criar um protótipo de produto digital?

Descreva sua ideia

Todos os envolvidos no projeto precisam compreender plenamente os elementos do produto. Dessa maneira, antes desenvolver um protótipo, é essencial organizar as ideias, seja numa folha de papel,em uma apresentação ou mesmo em uma parede com post-its coloridos.

Qual a ideia de negócio?

Para definir a sua ideia de negócios, imagine que você está numa reunião com um potencial investidor. Como você venderia a sua ideia? É muito importante você identificar dores, “jobs to be done” e ganhos, isso vai te ajudar a desenhar uma proposta de valor interessante e organizar melhor as ideias. Assim, aproveite para descrever de forma sucinta qual a proposta central do seu produto digital.

Quem é o público-alvo? 

É importante ter bem definido qual o público-alvo da sua solução. Se possível, crie uma persona para o seu produto. Dessa forma, tanto as ações de divulgação quanto as funcionalidades propostas serão mais adequadas ao consumidor final. Lembre-se de que algumas vezes existem várias personas envolvidas!

Que problemas solucionará? Em que momento?

Uma dica importante: as dores e jobs to be done sempre vem antes da solução. Geralmente começamos pela solução de problemas que sequer sabemos se existem ou se são realmente importantes. Explore bastante esta etapa, pois isso vale ouro na construção do seu protótipo. Vale destacar que o custo é bem baixo para realizar os levantamentos iniciais.

Depois disso, discorra sobre como seu produto irá solucioná-las, determinando em qual momento sua solução entrará em contato com o usuário. Dessa forma, você terá uma melhor visualização do contexto de uso do produto.

Qual o diferencial do seu produto digital?

Aqui cabe realizar uma análise da concorrência. Estude soluções semelhantes e defina qual o diferencial do seu produto digital. A partir dos seus conhecimentos sobre o público-alvo ou persona, responda: que elementos farão com que o cliente escolha o seu produto?

Quais serão as estratégias de implementação?

Determine quais serão as ações utilizadas para o desenvolvimento e execução do produto. Indique quais serão as estratégias de divulgação, potenciais parceiros, fontes de recursos, etc. A partir disso será possível desenvolver um protótipo alinhado com os objetivos traçados no seu plano de negócios.

Defina o formato do protótipo

Depois de registrar os elementos-chave da sua ideia, analise qual o melhor formato para executar o protótipo. A depender da fase em que o projeto se encontra, haverão formatos mais indicados para dar corpo a sua ideia. 

Caso você ainda esteja concretizando sua ideia, um papel e uma caneta já são suficientes para registrá-la. Um storyboard, por exemplo, dá destaque aos fluxos de um processo, e pode ser feito a mão ou digitalizado. 

Nele, os encadeamentos de ações ganham destaque, sendo ótimo para organização visual de fluxos. As apresentações, por sua vez, são alternativas mais refinadas que também possuem baixo custo de execução.

Para protótipos de maior fidelidade, você pode elaborar um vídeo, como no caso do Dropbox. Outra solução é a criação da interface do seu produto utilizando os softwares disponíveis no mercado. 

Alguns exemplos são o Adobe XD, o Axure, Figma e o Marvel (que possui plano gratuito). Com eles você pode desenhar interfaces ou fluxos encadeados de processos de maneira simples e barata.


Para construir um bom protótipo, é necessário seguir algumas regras. Clique aqui e confira 9 diretrizes para criar um protótipo de produto digital ágil, assertivo e barato.