A criação e o desenvolvimento de uma nova ideia de negócios ou produto digital envolve muitas incertezas. Para te auxiliar nessa empreitada, reunimos 10 maneiras de validar o seu produto no mercado.

A criação e o desenvolvimento de uma nova ideia de negócios ou produto digital é cercada de dúvidas. A hesitação do empreendedor tem fundamento: segundo o relatório de 2016 do DataSebrae, a taxa de mortalidade de microempresas atingiu a média de 49,6%. As três maiores causas apontadas foram a falta de planejamento, de capacitação e a má gestão. 

É fácil compreender a insegurança que permeia os potenciais empreendedores. Não existem garantias efetivas de que a solução criada irá vingar. Entretanto, é possível reduzir os riscos que envolvem o investimento em um novo negócio.

Para tanto, é necessário checar se a ideia de produto a ser desenvolvida é praticável, desejável e viável, técnica e financeiramente.

Como validar um produto digital no mercado?

Para ter certeza de que o seu produto digital será viável no mercado, você deve se certificar de algumas questões antes e durante o seu desenvolvimento. 

Para te auxiliar nessa empreitada, reunimos as dicas mais relevantes para reduzir os riscos desse investimento. Continue a leitura e conheça 10 maneiras de atestar a viabilidade do seu produto no mercado!

1.Entender o problema primeiro, propor soluções depois

Um produto digital relevante é aquele que soluciona um problema. Existe uma ordem lógica para o seu desenvolvimento: primeiramente, deve-se identificar um problema real e compreendê-lo profundamente. A proposição de uma solução só será possível a partir desse momento.  

Parece óbvio, mas, na maioria das vezes, as coisas não funcionam assim. Segundo um estudo realizado pela CBInsights, 42% das startups analisadas fracassaram por desenvolverem produtos que não foram aceitos no mercado. Em outras palavras, suas soluções não solucionavam os problemas das pessoas.

É muito mais lógico criar uma solução para um problema já conhecido do que buscar um problema que se encaixe numa solução já criada.

2. Pesquise o ambiente de negócios

A pesquisa do ambiente de negócios explicita todos os fatores externos que podem impactar o bom desempenho do seu produto e/ou negócio. 

Por essa razão, pesquise a fundo os principais fatores que rodeiam seu negócio: as forças de mercado, as forças de indústria e as forças macroeconômicas. 

Durante a pesquisa de mercado, realize benchmarks para identificar as práticas adotadas por outras companhias que ofereçam soluções semelhantes à sua. Assim, você não criará um produto que já está disponível para o público.

3. Garanta um negócio viável e tecnicamente possível 

O processo de inovação engloba diversas problemáticas. O desenvolvimento de uma nova ideia depende da viabilidade do negócio e da possibilidade técnica de sua implementação.

Dessa forma, deve-se definir a viabilidade financeira do negócio – o que não se limita ao lucro ou às fontes de recurso. A viabilidade financeira engloba também a sustentabilidade da proposta de valor no longo prazo. 

A possibilidade técnica da execução do projeto diz respeito à definição dos instrumentos necessários para sua efetivação. Assim, são determinados os recursos (humanos, tecnológicos, financeiros ou metodológicos) para atingir os objetivos determinados.

Fonte: https://www.agencyq.com/hs-fs/hubfs/vennlarge.png?width=800&name=vennlarge.png

4. Desenvolva um produto desejável às pessoas

A maneira mais rápida para atingir o fracasso é criar um produto que ninguém irá usar. Por isso, ao realizar a pesquisa do ambiente de negócios, analise profundamente o mercado em que você lançará o seu produto. Com a compreensão plena das dores e necessidades das pessoas, o produto será desenvolvido a partir do usuário do produto. 

Assegurando o product market fit (PMF) do seu produto digital, você garantirá uma boa experiência para o usuário – o que acaba por determinar um produto desejável.

Combo: Foco no usuário!

5. Escute-os ativamente

Como demonstrado pela pesquisa da CBInsights, a morte de 42% das startups analisadas ocorreu em razão de um produto que não solucionava o problema das pessoas.

O usuário tem papel central no desenvolvimento de um produto digital. Por isso, a escuta ativa faz parte do processo de criação da solução. Para que o seu produto seja, de fato, uma solução, é imprescindível entender a fundo suas dores, necessidades, vontades e desejos.

6. Promova sua participação ativa – e constante

A empatia – primeira etapa do design thinking –  é o processo pelo qual se adquire entendimento legítimo sobre o problema do usuário. Para que a empatia ocorra, é essencial que usuário faça parte do exercício.

Por definição, a fase de empatia ocorre no início de um projeto. Entretanto, não se limita a esse momento. 

Durante todo o desenvolvimento do produto, mantenha uma relação próxima com o usuário. Assim, a solução será melhor adequada em relação aos seus problemas, dores e necessidades.

7. Incorpore seus feedbacks 

Estar disposto a ouvir não deve ser uma mera formalidade; você precisa estar realmente disposto a abrir mão das suas crenças sobre o produto ideal. Assim, você terá maior abertura para incorporar os feedbacks do usuário, o que deve ocorrer durante todo o desenvolvimento e aprimoramento do produto digital.

8. Testar, testar e testar

A melhor maneira de se assegurar que um produto digital é efetivamente viável é testando como os usuários se relacionam com ele. 

No Design Thinking, as chamadas “etapas” não ocorrem de forma linear. Dificilmente as hipóteses geradas estarão completamente acordadas com a realidade – e a única maneira de saber é testando os protótipos desenvolvidos a partir delas.

Através da testagem será possível aprimorar o projeto. Após a realização de sucessivos ciclos iterativos, você terá reduzido drasticamente as incertezas que envolvem o lançamento de um novo produto digital. 

Minimizando as incertezas, você terá maior segurança de que seu produto digital, é, de fato, viável.

9. Colete feedbacks de experts

Não é apenas a palavra do usuário que tem peso na construção de um projeto de produto digital. 

Não é necessário reinventar a roda – ainda mais se for possível contar com a vivência alheia para desenvolver um produto digital viável.  Por essa razão, incorporar os feedbacks de profissionais experientes pode poupar tempo e dinheiro. 

Assegure-se de buscar a opinião de quem possui expertise no desenvolvimento de novos negócios, produtos digitais e entendimento profundo sobre a Nova Economia. Assim, você estará maximizando o potencial viável da sua solução.

10. Esteja preparado para imprevistos

A pandemia de 2020 pegou a todos de surpresa. Enfrentamos uma crise sem precedentes, “o grande marco do século 21”, segundo Nísia Trindade, presidente da Fiocruz. Muitas organizações não estavam preparadas para enfrentar uma recessão de tamanhas proporções.

Isso ficou claro no relatório do survey global sobre o impacto da COVID-19 no ecossistema de startups, realizado pela Startup Genome. Foi demonstrado que  41% das startups do mundo possuem apenas 3 meses (ou menos) de caixa. Enquanto isso, 74% tiveram redução de sua receita desde o início da crise.

Esse período, portanto, escancarou a necessidade de se estar preparado para lidar com cenários extremos e de grande impacto econômico. Planos de contingência são essenciais – pois nunca se sabe quando será preciso utilizá-los.


Garantir que o seu produto digital será viável no mercado é uma tarefa complexa. Entretanto, o cuidado detalhado em seu desenvolvimento pode minimizar os riscos envolvidos. 

Conheça 9 diretrizes para criar protótipos de produto digital de forma mais assertiva!